A pressa é inimiga da vida

Diversas cidades brasileiras são cortadas por linhas de trens, tanto de carga quanto de passageiros, e os cruzamentos com a ferrovia apresentam uma escolha a todos nós, pedestres: aguardar o trem passar ou correr o risco de provocar um acidente. Fica a pergunta:

Vale a pena arriscar sua vida por alguns minutos? 

Os trens são veículos lentos, pesados e com trajetória definida pelos trilhos. Os atropelamentos, portanto, têm sempre um fator de comportamento inadequado, que pode ser mudado, com informação e educação. Os comportamentos de risco mais comuns são: 

  • Apertar o passo ou correr para atravessar na frente do trem. 
  • Acessar a área dos trens para caminhar ao lado ou sobre os trilhos. O trem é mais largo do que parece. Nunca use o fim dos dormentes como referência. Use sempre as passagens em nível e as passarelas.
  • Andar distraído pelas ruas, de olho no smartphone ou usando fones de ouvido. Isso pode custar uma vida. 
  • Permitir que pessoas idosas ou com dificuldade de locomoção acessem a área da ferrovia, sem auxílio. 
  • Deixar crianças perto da linha sem supervisão.

Locais de Atropelamentos

Mais de 70% dos acidentes acontecem em áreas proibidas para pedestres.

Envolvidos em Atropelamentos

A grande maioria dos atropelamentos envolve homens, com idade na faixa de 35 a 55 anos.

O trem parou. E agora?

Quando um acidente acontece, é preciso vistoriar toda a composição e aguardar a perícia. Em algumas cidades, isso interrompe o trânsito. Alguns impacientes se arriscam entre os vagões. O trem pode retomar o movimento a qualquer momento.

Procure a passarela mais próxima ou aguarde a ação das autoridades. 

 
 

Principais Armadilhas

Fique atento a estes erros comuns do dia a dia, que colocam pedestres e motoristas em grande risco.

 

Compartilhe

Ajude a disseminar uma nova cultura de segurança, publicando as peças da nossa causa nas mídias sociais.