Quais as principais causas para os acidentes envolvendo trens?

Os principais fatores envolvem comportamento de risco. A pressa leva pedestres a correr à frente dos trens e motoristas a acelerar seus veículos para forçar a passagem. Caminhar pela área da ferrovia, em áreas proibidas, especialmente sobre os trilhos, é outro grande vetor de acidentes. Há, ainda, fatores que causam distração completa, como o uso de dispositivos móveis ou o consumo de álcool e drogas. Explore, por meio dos links abaixo, alguns destes principais temas. 


Por que os trens não param a tempo?

A grande dificuldade está no peso das composições, que pode chegar a 15 mil toneladas. Com tanta massa envolvida, é impossível frear um trem como se fosse um carro de passeio. Dependendo da situação (inclinação, geometria da linha etc.), os trens podem levar até 1 km para parar completamente após o acionamento dos freios de emergência. É por este motivo que qualquer descuido de pedestres ou motoristas pode levar ao impacto, e daí a importância de hábitos seguros.


O que é uma passagem em nível? 

São todas as passagens, ou cruzamentos, de uma via de pedestres e/ou de uma rodovia com a linha férrea, no mesmo nível. Somente as passagens em nível oficiais devem ser utilizadas. Mais de 70% dos atropelamentos acontecem fora das passagens, nos trechos em que é proibida a presença de pedestres. As passagens em nível devem estar sinalizadas e a responsabilidade de mantê-las em boas condições é das operadoras ferroviárias. 


A cancela é obrigatória nas passagens rodoviárias?

Não para todos os casos. Cada cruzamento tem uma medida técnica de risco, que leva em conta fatores como volume do tráfego, tipo de veículos e visibilidade, entre outros. Quanto maior o risco, maior deve ser a proteção. A avaliação de risco é feita a partir de normas técnicas, da ABNT, e para a grande maioria dos casos a sinalização com placas é suficiente. Este é o principal motivo pelo qual as placas, especialmente a de "Pare, olhe, escute", devem ser respeitadas com rigor. A sinalização indica risco real à segurança.


Quais os principais danos às pessoas que se envolvem em acidentes?

Nos abalroamentos (batidas com outros veículos), a maioria das pessoas envolvidas sofre escoriações e, em muitos casos, lesões na cabeça, pelo choque com a estrutura do veículo envolvido. Embora não seja comum, há casos fatais. Mesmo em baixa velocidade, os trens provocam grande impacto, pela sua massa. Na grande maioria dos casos, existe a perda total do veículo envolvido. 

Os atropelamentos apresentam um risco ainda maior à integridade dos pedestres. Caso a pessoa seja levada para baixo da composição, os danos tendem a ser permanentes, como mutilação de membros, quando não ocorre o óbito. Há casos em que as pessoas são projetadas para as margens da via, e nestas situações os danos tendem a ser menores. Ainda assim, o impacto é suficientemente forte para levar uma pessoa à morte. Todo cuidado é pouco. Não há pressa que justifique o risco de perdermos uma vida.  


O que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) diz sobre os trens?

O CTB é bem claro: o motorista é obrigado a parar o veículo antes de um cruzamento com a ferrovia. Não basta diminuir a velocidade. Não respeitar essa determinação é infração gravíssima (7 pontos e cerca R$ 300 de multa, além da perda material com os danos ao veículo). O Código também determina que os trens têm preferência de circulação sobre os demais veículos, e por um motivo muito simples: o peso das composições. Um trem de carga pode chegar a pesar 15 mil toneladas, e é fisicamente impossível frear toda esta massa para evitar o impacto.