Você tem mais a perder do que a manhã do dia seguinte

Em algumas regiões, o uso de álcool e drogas causa 20% dos acidentes envolvendo trens. Um desafio individual, para a saúde pública e para a segurança. Já é mais do que conhecido o efeito de substâncias sobre motoristas, e as novas multas em vigor no Brasil tornaram a punição ainda maior para motoristas pegos sob efeito de álcool. Mas talvez pouco seja dito sobre a influência de bebidas alcóolicas e de drogas, o crack em particular, sobre pedestres que se envolvem em acidentes. 

São infelizmente comuns os casos em que os pedestres não esboçam qualquer reação ante a chegada dos trens. Moradores de rua e pessoas em condições de fragilidade social estão especialmente expostos, daí a importância do trabalho realizado pelos aparelhos sociais públicos e organizações que oferecem apoio, a essas pessoas e suas famílias.

O envolvimento deste público é extremamente delicado, e a eficácia de ações de comunicação, discutivel. Algumas recomendações, no entanto, podem ser úteis e evitar acidentes, protegendo vidas. 

  • Sempre que presenciar uma situação de risco, como pessoas aglomeradas em área de metrôs ou trens, informe à operadora do serviço na região. As empresas saberão acionar autoridades de segurança pública, se for o caso. 

  • Aos pais, recomenda-se muita atenção e proximidade com seus filhos, especialmente na fase em que começam a dirigir. Diálogo e informação são estratégias interessantes de aproximação. 

  • A todos os motoristas, o que se pede é tolerância zero com relação ao uso de álcool e drogas. Não existe nível de consumo seguro. Não se deixe levar pela armadilha de pensar que 'um copinho de cerveja não vai matar ninguém'. Além de ser lei e a coisa certa a ser feita, beber e dirigir pode levá-lo a uma situação de dor e arrependimento. 

Principais efeitos do consumo de álcool sobre motoristas

  • Redução da visão em longa distância (à noite, esta perda de acuidade pode ser de 25%).
  • Visão turva ou dobrada. 
  • Perda da capacidade sensorial periférica. 
  • Lentidão motora. 
  • Perda dos sensos de equilíbrio e direção.
  • Grande redução da capacidade de ponderar riscos. 

Acidentes de trânsito no mundo

  • 1,2 milhão de pessoas morreram em acidentes no trânsito, em todo o mundo, ao longo de 2015, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A entidade estima em mais de 2 milhões o número de feridos neste mesmo período. 
  • As lesões provocadas por acidentes de trânsito no mundo são mais frequentes nos países em desenvolvimento. O custo do atendimento médico a estes casos oscila entre 1% e 2% do PIB de alguns dos países analisados pela OMS. 

Acidentes de trânsito no Brasil

  • Quase 45 mil pessoas morrem em acidentes de trânsito por ano no Brasil, segundo o Ministério da Saúde, por meio de informações do SUS.
  • Os atendimentos médicos relacionados a estes acidentes geram um custo global para o país de R$ 5,3 bilhões (Ministério da Saúde/SUS).

Número de mortes por acidentes no trânsito no Brasil

Fonte: DataSUS / Ministério da Saúde

Compartilhe

Ajude a disseminar uma nova cultura de segurança, publicando as peças da nossa causa nas mídias sociais.